terça-feira, 15 de março de 2016

Órfã de pais.


Pai,
Me levanto e não ouço a sua voz
Os remédios me servem de calmantes
O destino virou o meu algoz
E o meu céu já não brilha como antes.

Os meus olhos chorosos e brilhantes
Os meus pés vacilantes rente ao chão
E os meus passos incertos e errantes
Sem você segurando a minha mão.

Mãe,
Ao lembrar a senhora num caixão
E em pensar no teu corpo decomposto
A saudade é tão grande no meu peito
Que escorre dos olhos pelo rosto.

Vida dura, cruel, cheia de medos,
Deus do céu é quem guia os passos meus
Tão precoce eu perdi meus dois tesouros,

Virei órfã de PAIS, mas não de DEUS.

AUTOR: RAFAEL NETO
16/03/2016

ESCRITO PARA A AMIGA PRISCILLA RAMOS