terça-feira, 17 de agosto de 2010

Versos de Louro Branco

Cantador como eu ninguém num fez
Deus deixou pra mandar muito depois
Que se cabra for grande eu dou em dois
E se o cabra for médio eu dou em três
E se for bem pequeno eu dou em seis
Que a minha riqueza é bem total
Cantador como eu não nasce igual
Que ou nasçe mais baixo sou mais estreito
Repentista só canta do meu jeito
Se for fora de série ou genial.

Acho bonito o inverno
Quando o rio está de nado
Que o sapo faz oi aqui
Outro oi do outro lado
Parece dois cantadores
Cantando mourão voltado.


Cantando com VALDIR TELES, o colega perguntou onde LOURO residia e depois disse o seguinte:

QUALQUER DIA, MEU COLEGA
VOU CONHECER SUA CASA...

LOURO pegou na deixa e falou:

MEU CUMPADE, A MINHA CASA
É UMA CASA TÃO FEIA...
D'UM LADO É UM CEMITÉRIO
DO OUTRO LADO A CADEIA
D'UM LADO SE COME TERRA
DO OUTRO SE COME PEIA.

Noutra oportunidade, cantando à Natureza, disse:

Admiro a Natureza
Mar vomitando salinas
Lajedos de corpos nus
Com as pedras cristalinas
E as serras, túmulos rochosos
Onde Deus sepulta as minas

Noutra oportunidade, cantando com Sebastião da Silva, outro poeta de primeira grandeza, e falando da herança que deveria deixar para a família, saiu-se com essa:

No dia que eu morrer
Deixo a mulher sem conforto
Roupas em malas guardadas
E o chapéu em torno torto
E a viola com saudades
Dos dedos do dono morto.

2 comentários:

  1. Sou muito admirador dos versos de Louro Branco.

    Um forte abraço Lucas. São bento do una-pe

    ResponderExcluir
  2. GERALDO ANÍZIO DE CAICÓ

    LOURO BRANCO EXCEPCIONAL REPENTISTA E POETA PROSADOR DAS ENPOEIRADAS SERTANEJAS. O CONHECI ANDANDO PELAS RUAS DE CAICÓ NO RIO GRANDE DO NORTE. FOI POR VOLTA DOS ANOS SETENTA. JÁ ERA MUITO FAMOSO POR PELOS VERSOS DELE E PELA AGUÇADA POESIA MESCLADA DE TROCADILHOS FENOMENAIS QUE ENCANTAM TODOS APRECIADORES DO REPENTE NORDESTINO.

    ResponderExcluir