sexta-feira, 30 de agosto de 2013

MÁQUINA DO TEMPO

Máquina do tempo

A minha especialidade...
É sorrir estando triste,
Pra você ficar pensando
Que a minha alegria existe,
Mas se eu fosse um modernista
Em máquina um especialista,
O mundo estava em perigo!
Acabava o sofrimento...
Criando um equipamento
Pra ter você comigo.

Uma máquina do tempo
Se eu pudesse construir,
Eu tenho plena certeza
Todo dia, iria rir...
Pois quando houvesse um impasse,
Ou quando triste eu ficasse,
“Entre pedras e espinhos”...
Ligava o equipamento...
Voltando a qualquer momento,
Que estivemos juntinhos.

Se eu controlasse o TEMPO
Como em filme pude ver,
Com um controle remoto
Podendo RETROCEDER,
AVANÇAR, PARALISAR,
Dar PLAY e depois VOLTAR,
Talvez fizesse um regaço!
Paralisava a nação,
E só apertava o botão
Quando te desse um abraço.

Se eu fosse um astronauta
Nos espaços siderais
Viajando entre as estrelas
Que brilham como cristais
Chegaria à conclusão
Que nem a constelação,
Nem mesmo a luz do luar
Possuem teu cromossomo,
Tem brilho, mas não é como,
O brilho do teu olhar.

Amanhã eu estarei...
Palmilhando esta jornada
Com rugas, meio grisalho,
E a matéria cansada...
Talvez eu te bisbilhote
Olhe o teu semblante e note,
Que o brilho modificou,
E por mais que o tempo passe
Volto à “fita” e vejo a face
De quem tanto me inspirou.

Como uma máquina do tempo
Meu pensamento poético
Viajara pelas eras...
Como um raio cibernético...
Com quem eras, te assemelho,
E tu, olhando um espelho,
Fitando a própria feição...
Lembrando aquilo que eras
Quando as tuas primaveras
Reinavam, em pleno verão.

A beleza a terra come
E a velhice, a transfigura
Mas se estiveres comigo,
Toda a tua formosura...
Eu guardarei na lembrança
Pois como o tempo não cansa
Passa e a gente nem vê...
Eu te direi: - Tenha calma,
Formosa mesmo é a alma
Que esta dentro de você.

Na mesma máquina do tempo
Eu hei de te convidar,
Somente para nós dois
Dentro dela, viajar...
A máquina? São os pensamentos,
Trazendo a mente momentos
Que já vivemos querida...
Se me deixares sozinho?
Andarei neste caminho...
Perdido, pra toda vida...

Rafael Neto
23/08/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário